Marantaceae - Maranta

Início  /  Marantaceae - Maranta

Tal como as plantas do género Calathea, são conhecidas como “prayer plants”, devido à movimentação característica das suas folhas, que assumem uma posição vertical em resposta à baixa luminosidade do período nocturno. Também apresentam folhas com padrões impressionantes e são seguras para os animais de estimação. Podem ser podadas periodicamente de modo a manter a sua forma e promover o crescimento. No Inverno, as plantas pertencentes a este género podem entrar numa fase dormente, voltando a produzir novas folhas na Primavera. À semelhança das suas familiares Calathea, são plantas que beneficiam de luz indirecta, temperatura amena e humidade elevada, condições que encontram nas florestas tropicais húmidas de onde são nativas.

As Marantas apresentam folhas exuberantes e à semelhança das Calatheas mudam de posição consoante a luz ambiente. 

Cuidados:

Luz: moderada, como por exemplo perto de uma janela virada a norte ou a nascente.

Temperatura e humidade: temperatura amena a elevada, entre 18 a 27ºC; preferem ambientes húmidos, pelo que beneficiam de estratégias que aumentam a humidade relativa como agrupar as plantas de necessidades semelhantes lado a lado, colocar recipientes com água por perto ou, se o clima for mesmo muito seco, utilizar humidificadores. Dica: limpar regularmente as folhas com um pano húmido permite que estas se mantenham saudáveis.

Substrato: deve ser arejado e garantir boa drenagem; beneficiam da troca anual de substrato na Primavera. Dica: se a planta for muito grande pode aproveitar-se a mudança de substrato para efectuar propagação, através da divisão de rizomas.

Rega: manter o substrato húmido mas não encharcado; é preferível usar água da chuva ou água destilada, pois são plantas sensíveis ao cloro e minerais presentes na água canalizada; em alternativa, deixar repousar água canalizada durante 24 horas antes da sua utilização. Dica: no Verão podem ser regadas com chuveiro no exterior, ajudando na limpeza das folhas.

Fertilização: fertilizar mensalmente na Primavera, a estação de crescimento.

Toxicidade: plantas não tóxicas para animais de estimação.

Problemas comuns:

  • Folhas pálidas e enroladas: excesso de luz; evitar expor a planta ao sol directo.
  • Crescimento estagnado: insuficiente fertilização ou excesso de fertilização.
  • Pequenos discos castanhos nos caules e folhas: cochonilha-lapa, uma praga por vezes difícil de identificar
  • Folhas pálidas ou secas, por vezes com padrão “salpicado” ou com teias no verso: ácaros-aranha, uma praga bastante prejudicial pois costuma passar despercebida em fases iniciais; tal como acontece com as Calatheas, as Marantas são vulneráveis a este aracnídeo sobretudo se o ambiente onde vivem for seco.



Bibliografia:

Pleasant, B. The Complete House Plant Survival Manual. Storey Books. 2005